Gozar ou Fazer pela Vida — eis o Dilema

 

 

António Frias Marques

18-jun-2015

 

 

É uma verdade axiomática que só há duas certezas na vida: morrer e pagar impostos!

 

Agora vejamos: se for um cidadão de posses e com um sentido hodierno da existência, desfruta a seu bel-prazer de meia dúzia de casas espalhadas pelo país, eventualmente uma em Lisboa, nas Avenidas Novas, onde tem a residência fiscal; outra no Algarve, num condomínio junto à praia, onde vai quando a canícula aperta; outra na cidade do Porto, na aristocrática zona da Foz, onde passa a noite quando tem de se deslocar ao Norte; mais uma nos arredores de Lisboa, ótima para passar fins de semana; uma casa apalaçada nas Beiras, que visita de longe em longe e lhe foi deixada em herança por uma tia-avó; um apartamento simpático na zona dos Prazeres e, finalmente herdou do lado do pai, em Lisboa, uma penthouse no Parque dos Príncipes, que também está devoluta, mas reservada para uma filha que está a tirar o mestrado e um dia será casadoira.

 

Como só pode pernoitar numa casa — pelo menos de cada vez — tem 6 fogos vagos e nada lhe acontece.

 

Ali ninguém toca!

 

Tem-nas mas são dele!

 

Estão vagas, mas guardadas para quando lhe apetecer as poder usar ou até, quem sabe, vendê-las e vir a apurar chorudas mais-valias.

 

Ai de quem se lembre de as tributar, em sede de IMI, em triplicado!

 

Ademais é um alto quadro público e sabe muito bem o que fazer se o quiserem “aborrecer”.

 

IMI POR MEDIDA

 

Vejamos agora o outro lado do “filme”: um cidadão do Porto, proprietário de um prédio, durante dezenas e dezenas de anos, como as rendas estavam congeladas, não conseguiu auferir o mínimo rendimento. No entanto, pela lei natural da vida, do total de 6 inquilinos já só tem 3, ficando seriamente preocupado acerca de onde ir buscar o dinheiro necessário para a recuperação dos fogos, deixados num estado de autêntico pós-guerra civil.

 

Passado um tempo, abalançou-se a fazer obras de recuperação dos andares e, no fim, até os conseguiu arrendar. Mas agora estão vagos.

 

Para nada; teve de tirar a certificação energética.

Anunciou e não apareceu ninguém.

 

Construiu-se demasiado e há casas a mais!

 

Passado um ano, a Câmara já o avisou: como as casas estão devolutas, vai ter de pagar o IMI a triplicar!

 

Quer dizer: se um cidadão tem um sentido económico da vida, trabalhou durante toda a sua existência e conseguiu comprar um prédio ou um andar para rendimento, dando-lhe portanto uma função na economia, e não o consegue arrendar, está tramado. Mas sendo para gozo e deleite pessoal, pode ter, sem uso, as casas que quiser!

Para uns é um pecado, para outros é uma gracinha.

 

 

FIM

 

   

 

 

 

 

 

  
 
................................................................
Copyright © 2021. ANP. Sede: Avenida 5 de Outubro, n.º 156-3.º 1050-062 Lisboa ---»Tel:211 990 589 Design by Jose Pinto - Todos os direitos reservados

Utilizamos cookies para lhe garantir uma melhor experiência de navegação no website. Ao utilizar o website, confirma que aceita o uso de cookies. Mais informações To find out more about the cookies we use and how to delete them, see our privacy policy.

I accept cookies from this site.
EU Cookie Directive plugin by www.channeldigital.co.uk