A ESTATIZAÇÃO DO ARRENDAMENTO URBANO 

  

 

Ouviram-se ameaças de que iam ser implementados mais e eficientes controlos dos contratos de arrendamento urbano.

 

Obcecados por manietar quem tem alguma coisa de seu e colocou as suas poupanças em casas destinadas a arrendamento, não param de inventar controlos e mais controlos, assim estatizando o arrendamento urbano.

 

Há a obrigatoriedade de, no prazo de 60 dias, entregar nas finanças o Modelo 2 do Imposto do Selo e o pagamento respetivo. Tal implica a identificação completa do prédio, do senhorio e do arrendatário, finalidade do contrato, prazo de duração, início, alteração e cessação, localização e valor da renda mensal.

 

Anualmente há necessidade de entregar o Modelo44 com a descriminação do rendimento obtido, bem como, no caso das rendas antigas, a Participação de Rendas.

 

São contratos com o prazo mínimo de três anos; é o arrendamento acessível, que obriga a tudo declarar; o IRS, com a tributação autónoma de 28 %; os contratos bonificados que não chegam ao fim e originam alcavalas, etc..

 

Se isto não é controlo, não sabemos o que o será!

 

Mas o supercontrolo levado ao zénite é o desplante de, para começar – podendo chegar a 16 vezes mais! - ser cobrado a sextuplicar o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), desde que a zona em que o prédio se localiza seja apetitosa e haja a prestimosa ajuda das companhias da eletricidade e da água, colaborantes na denúncia de eventuais locais sem esses contratos de fornecimento ou até com baixos consumos.

 

Fazem-se esquecidos de que na maioria das circunstâncias, tal se deve à descapitalização do proprietário que além de ter sofrido as agruras das rendas de cacaracá dos arrendamentos muito antigos, que não davam sequer para mandar cantar um cego, estão desesperadamente à procura de conseguir juntar o pecúlio que lhes permita fazer frente às obras de renovação do andar  finalmente entregue ao proprietário, mas deixado em tal estado de pós-guerra civil, que nem os ratos se lá metem; quanto mais o arrendatário moderno - exigente quanto a todas as comodidades e equipamentos.

 


À margem de todos os controlos ficam os mesmos de sempre: quem, sendo arrendatário, subaluga por bom preço e livre de impostos, quartos ou partes de casa ou até a casa toda. Aí, nessas circunstâncias e sem o verdadeiro proprietário saber - evidentemente que o inquilino não faz contrato: não o pode fazer! - e também não passa recibos de quitação. Com a agravante de os hóspedes, muitas vezes desconhecedores do enredo, chamarem de “senhorio” ao usupador que não passa de inquilino. 

 

AFM

 

                                                                                FIM

                                                     

 

  
 
................................................................
 
Copyright © 2024. ANP. Sede: Rua de Timor, n.º 6 C/V 1170-372 Lisboa Tel:211 990 589 Design by Jose Pinto - Todos os direitos reservados

Utilizamos cookies para lhe garantir uma melhor experiência de navegação no website. Ao utilizar o website, confirma que aceita o uso de cookies. Mais informações To find out more about the cookies we use and how to delete them, see our privacy policy.

I accept cookies from this site.
EU Cookie Directive plugin by www.channeldigital.co.uk